Publicações

Nefrectomia Parcial Laparoscópica

Nefrectomia Parcial Laparoscóppica

Realizamos uma nefrectomia parcial laparoscópica em nosso paciente e vamos contar como aconteceu. Esse é o  caso de um tumor renal de aproximadamente 2,0 cm. Nosso paciente tem 48 anos de idade, do sexo masculino e descobrimos a presença do tumor na realização de exames de rotina. Isso mostra a importância de acompanhar a saúde de perto e realizar consultas e exames periodicamente.

nefrectomia parcial DR Angelo Campos

Todavia, pairava a desconfiança de que o tumor fosse maligno, então realizamos uma cirurgia chamada nefrectomia parcial – uma  cirurgia  poupadora de néfrons, ou seja, faz-se a retirada do pedaço do rim onde está o tumor deixando a maior parte do rim funcionando evitando maiores complicações para o paciente nas suas funções renais futuras.

Dessa forma, a  cirurgia foi realizada com a técnica laparoscópica, em que são feitas pequenas incisões no abdome do paciente e introduzimos uma câmera que irá mostrar as imagens de todos os órgãos do abdome. Assim, podemos visualizar e separar todo o rim e assim retirar apenas a parte acometida pelo tumor.

Então, o processo é menos invasivo e com cortes menores, o paciente terá menos dores pós-operatória e poderá se alimentar e se locomover de forma precoce. E por fim a alta é mais rápida. O nosso paciente teve alta em 2 dias após a cirurgia.

E a certeza se o tumor era maligno ou não virá através do exame da peça retirada, pelo laboratório de patologia. E mesmo que seja maligno, o paciente já estará curado. Necessitando apenas de acompanhamento.

Concluímos com um dado importante, os tumores renais acontecem entre 7 a 10 pessoas para cada 100 mil habitantes, não é muito comum. Porém, o benefício será se a cirurgia for feita no tempo certo.  Os tumores renais são detectáveis através de exames de imagem (ultrassonografia) e por isso, repetimos o quanto é importante realizar exames médicos periódicos. Procure o seu urologista ou entre em contato conosco.

Nefrectomia

A cirurgia é o principal tratamento para a maioria dos carcinomas de células renais. Mesmo pacientes cuja doença se disseminou para outros órgãos poderão se beneficiar do tratamento cirúrgico. Dependendo do estadiamento e da localização do tumor e de outros fatores, a cirurgia pode ser realizada para a retirada do tumor e de uma parte do tecido renal adjacente, ou de todo o rim. A glândula suprarrenal e o tecido adiposo ao redor do órgão também podem ser removidos.

Os tipos de cirurgia renal são:

 Nefrectomia Radical

Na nefrectomia radical são removidos o rim, a glândula adrenal e o tecido adiposo ao redor do rim. A maioria das pessoas vive normalmente com apenas um rim. Neste procedimento a incisão pode ser feira em vários locais, sendo os locais mais frequentes a parte central do abdome, abaixo das costelas do mesmo lado do tumor ou mesmo nas costas, logo atrás do rim.

Nefrectomia Parcial

Na nefrectomia parcial é removida apenas a parte do rim contendo a doença. Assim como na nefrectomia radical e dependendo da localização do tumor podem ser feitas várias incisões. Atualmente, este tipo de cirurgia é a técnica preferida para pacientes com câncer renal em estágio inicial. Muitas vezes, é realizada para remover tumores únicos entre 4 e 7 cm de diâmetro. Alguns estudos demonstram que, a longo prazo, esse método apresenta resultados similares à retirada de todo o rim.

Leia Mais

Câncer de Próstata – Orientações sobre diagnóstico precoce e prevenção

Conversamos com os urologistas Ângelo Campos, José Lucena, Karla Avelino e André Siqueira, que fazem parte da equipe da UROS, sobre essa doença que só em 2020, terá mais de 65 mil novos casos no Brasil. O diagnóstico precoce é a principal arma para a cura dessa doença.

Novembro é o mês de prevenção ao câncer de próstata. A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda uma consulta anual ao urologista a partir dos 50 anos ou após os 45 para homens que apresentem fatores de risco para a doença.

 

1- O que é a próstata e qual a sua função no organismo?

A próstata é uma glândula presente em todos os homens e localizada abaixo da bexiga e à frente do reto. A uretra masculina passa por dentro dessa glândula para poder levar a urina e o sêmen até o exterior. A função da próstata é produzir uma secreção componente do sêmen, responsável por nutrir e transportar os espermatozoides eliminados no ato sexual.

2 – Quais as principais doenças que acometem esse órgão?

As principais doenças prostáticas são as neoplasias (câncer de próstata), o crescimento benigno (hiperplasia prostática benigna) e as prostatites (infecções bacterianas agudas ou crônicas).

3 – Sobre o câncer de próstata, quais as estatísticas e em que faixa etária ele é mais prevalente?

A estimativa do INCA é que no ano de 2020 ocorram 65.840 novos casos de câncer de próstata no Brasil, com 15.576 novas mortes em decorrência da doença. A incidência do câncer de próstata aumenta com a idade, sendo mais importante sua detecção na faixa dos 50 aos 70
anos, visto que antes dessa faixa etária ele é raro e depois tende a ser menos agressivo (apesar de ser frequente). Cada caso deve ser avaliado de maneira individualizada pelo urologista.

4 – Como prevenir o câncer de próstata?

Não existem maneiras efetivas de prevenção do câncer de próstata. A melhor alternativa é o diagnóstico precoce. Entretanto, existe correlação entre um maior risco de desenvolvimento de câncer de próstata em pacientes com sobrepeso, consumo de álcool e tabaco, maior consumo de carnes vermelhas e gorduras de origem animal, menor ingestão de frutas, verduras, legumes, grãos e cereais. Antioxidantes, como vitaminas A,D, E e carotenos, assim como selênio, parecem desenvolver um papel protetor, diminuindo a incidência do câncer de próstata.

O diagnóstico precoce é a principal arma que temos visando à cura do câncer de próstata.

5 – Sobre o diagnóstico precoce, quais são os exames que devem ser realizados? A partir de que idade? Qual a frequência?

A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda a avaliação anual de rotina para todo homem a partir dos 50 anos de idade ou após 45 anos em caso de apresentar fatores de risco. Deve ser feita uma consulta urológica com pesquisa de fatores de risco, avaliação global do paciente e ao menos a dosagem sanguínea do PSA (antígeno prostático específico) e toque retal.

O segredo de uma vida longa está em cultivar hábitos saudáveis, alimentação balanceada e cuidar do corpo e da alma.

6 – O exame de sangue substitui o toque retal? Porque ainda existe tanto preconceito?

O toque retal ainda é indispensável na avaliação periódica urológica. Cerca de 80% dos tumores prostáticos alteram o PSA, mas 20% dos tumores vão passar despercebidos caso não realizemos um exame de toque retal. A combinação dos dois métodos é o ideal para chegarmos a uma precisão de até 95%. O preconceito ainda existe porque envolve uma temática de questões culturais muito fortes desde épocas muito antigas da nossa sociedade. Felizmente, está cada dia menor e a população está progressivamente mais consciente da necessidade de uma prevenção para uma vida mais longa e saudável. Atualmente, os homens não chegam ao nível de conscientização das mulheres, mas estamos
caminhando a passos largos.

7 – O câncer de próstata tem cura?

O diagnóstico precoce é a principal arma que temos visando à cura do câncer de próstata. Nos estágios iniciais da doença, o índice de cura chega a 90%. Daí a importância de campanhas de conscientização sobre a avaliação periódica urológica de rotina nos homens. Podemos salvar uma multidão de homens todos os anos com medidas simples que vão propiciar o tratamento mais adequado e efetivo a nossos pacientes, sem falar que nessas avaliações são abordados outros aspectos da saúde do homem, como a disfunção erétil e o distúrbio androgênico do envelhecimento masculino, visando sempre uma avaliação urológica mais global dos pacientes.

8 – Qual a orientação para os homens neste Novembro Azul?

O segredo de uma vida longa está em cultivar hábitos saudáveis, alimentação balanceada e cuidar do corpo e da alma. As avaliações médicas
de rotina servem como guias para balizar decisões e orientar os pacientes a plantar essas sementes que serão colhidas aos 70, 80 e 90 anos de idade. Cada vez mais, é importante envelhecer com qualidade de vida e prevenir sequelas e complicações. Não podemos deixar que um
preconceito tolo ou uma suposta falta de tempo nos prejudiquem.

Fonte: Revista Guia Viver Bem 

 

 

Leia Mais

Retomamos os Atendimentos

Retomamos nossos atendimentos nos consultórios e adotamos todas as recomendações do Ministério da Saúde para que, do momento que você chegue ao atendimento até o momento da sua saída, tudo seja feito da forma mais segura possível.

 

Orientações importantes:

  •  Agende o seu horário;
  • Evite comparecer acompanhado, Só venha com alguém  se você precisar de ajuda;
  • Use máscara o tempo todo;
  • Mantenha o distanciamento social e
  • Use álcool para higienizar as mãos.

⠀Nossos urologistas atendem homens, mulheres e crianças de todas a idades. Entre em contato e agende seu horário.

Conheça nosso corpo clínico  e os planos de saúde que atendemos.

Possui dúvidas ou pretende marcar uma consulta?

Entre em contato pelo 📱 (84) 99840-4260 – ou clique aqui

Leia Mais

Quais doenças são tratadas pelo urologista pediátrico?

O urologista pediátrico atende à crianças e adolescentes. Na urologia pediátrica, existem várias doenças específicas dessa faixa etária, muitas vezes bem diferentes do que ocorre nos adultos. A sua atenção se volta para meninos e meninas, tanto no aparelho urinário como no aparelho genital.

Como exemplo, podemos citar:

  • – Dilatação do aparelho urinário (ureterohidronefrose), devida a estenose (estreitamento) da junção pieloureteral (JUP), refluxo vesicoureteral, megaureter congênito.
  • – Válvula de uretra posterior (VUP), um estreitamento da uretra que traz dificuldade de urinar em meninos.
  • – Hipospádias, que ocorrem quando a uretra (canal por onde sai a urina) não desemboca na ponta do pênis (na glande).
  • – Fimose, quando o menino não consegue puxar a pele do pênis (prepúcio) para expor a glande.
  • – Disfunção miccional, quando a criança apresenta dificuldades de micção, podendo haver incontinência urinária, constipação associada, urgência para fazer xixi.
  • –  A enurese noturna é caracterizada quando a criança, atinge uma determinada idade, e  faz xixi na cama durante a noite. Ela é definida como a presença de incontinência urinária em crianças maiores de 5 anos de idade, na ausência de distúrbios neurológicos congênitos ou adquiridos.
  • – Orquidopexia, cirurgia para corrigir quando um ou ambos os testículos não se apresenta na bolsa testicular (escroto) ao nascimento.
  • – Mal-formações congênitas em geral do aparelho urinário e genital de ambos os sexos.

Ainda existem vários outros problemas, que não vamos citar agora para não se estender muito.

Caso possua alguma dúvida sobre este assunto, favor nos comunicar.
Estamos à disposição para ajudar! Caso queira conhecer nossa equipe clique aqui

Leia Mais

97% dos meninos nascem com fimose 

A fimose ocorre quando ao se puxar a pele do prepúcio não é possível expor a cabeça do pênis.

Estimativas apontam que cerca de 97% dos meninos nascem com o problema. Esse número cai para cerca de 10% aos 3 anos de idade e gira em torno de 1 a 3% nos adolescentes. Fimose urosrn urologistas em Natal

Dificuldade de higienização, maior probabilidade de infecções locais e infecções urinárias nas crianças são algumas das consequências da fimose.

 A fimose pode gerar dificuldade de higienização da cabeça do pênis, facilitando infecções locais e infecções urinárias nas crianças. Casos extremos de fimose, com anel muito estreito, podem causar dificuldade para urinar, ocorrendo a micção por balonamento, ou seja, a urina fica retida na bolsa de prepúcio para depois ser expelida para o meio externo. Já nos adultos, a fimose pode levar a incômodo e lesões durante a ereção e a relação sexual, atrapalhando a própria atividade sexual.

Na maior parte dos casos não é necessário qualquer tratamento, a fimose melhora espontaneamente. Entretanto, há casos em que a pele que envolve a cabeça do pênis é bastante fechada e com tecido cicatricial. Outras vezes a criança desenvolve inflamações de repetição e infecção urinária.

O tratamento inicial, na maioria das vezes, é o uso de pomadas à base de corticoides como a betametasona a 0,1%, que resolve cerca de 80% dos casos. Se não resolver, a cirurgia se faz necessária. Em situações em que a pele é muito fibrosada ou em grandes dilatações renais, pelo risco de infecção urinária, a cirurgia pode ser indicada antes mesmo do uso de pomada. fimose

Portanto, a fimose faz parte do desenvolvimento da criança, sendo o descolamento do prepúcio um processo natural. Deve-se lavar o órgão apenas com água e sabão e evitar uso de papel toalha e cotonetes. A melhor forma de prevenir a cirurgia é evitar as manobras forçadas para a retração da pele do pênis. Isso fere a pele, provocando irritação, inflamação e, além do desconforto da criança, maior chance de apresentar cicatrização exagerada e piorar a fimose.

Ao contrário do que se pensa, a cirurgia para correção da fimose não impede a sensibilidade do pênis. O procedimento diminui o risco de transmissão do vírus HIV e de algumas outras doenças sexualmente transmissíveis, além de reduzir a chance de infecção urinária.

Tipos de fimose:

  • Fisiológica: é a condição mais comum, que está presente desde o nascimento.
  • Secundária: pode surgir em qualquer fase da vida e ocorre após um quadro de infecção ou traumatismo local, por exemplo.
 

fonte: SBU

Leia Mais