Estudo urodinâmico

Como o próprio nome indica, a urodinâmica é o estudo das várias fases do ato de produzir, transportar, reter e excretar urina, gerando parâmetros como a capacidade de armazenamento urinário da bexiga, volume urinado ou retido,  pressão de fluxo no interior das vias urinárias, etc., os quais podem ser confrontados com dados normais. É um método para avaliar as condições funcionais do trato urinário baixo, comprometido muitas vezes por condições urológicas, neurológicas ou disfuncionais.

De um modo geral, a urodinâmica está indicada em alguns casos como urgência urinária, incontinência urinária, nocturia (acorda à noite para urinar), entre outros. Também em casos de má resposta a tratamentos para incontinência urinária, quadros de incontinências urinárias persistentes, antecedentes de cirurgias pélvicas, entre outros.

Esse exame é feito em regime ambulatorial (não necessitando de internação) em uma clínica de urologia padrão. Para isso, é necessário introduzir uma delicada sonda no reto e outras duas delicadas sondas na uretra, que são conectadas a um aparelho responsável por infusão de soro na bexiga e medir as pressões da bexiga e do abdômen, assim possibilitando concluir sobre eventuais problemas no ato da micção.

Pode parecer um pouco complicado realizar uma urodinâmica, mas não é bem assim, inclusive também podendo ser feito em crianças. Não é doloroso, não necessita de maiores técnicas anestésicas, o paciente permanece acordado durante todo o exame e vai para casa em seguida, com orientação de usar alguns medicamentos apenas. Não é necessário preparo especial antes do exame, mas preferencialmente é interessante chegar para o exame com a bexiga cheia de urina.

No pós-exame imediato, pode haver disúria (ardor para urinar) e aumento da frequência urinária, que habitualmente regridem de 12 a 48 horas após o exame. Alguns poucos pacientes podem apresentar sangramento uretral, via de regra pequeno e de resolução espontânea. A ocorrência de infecção é mais rara ainda e ocorre particularmente nos pacientes idosos, debilitados, imunodeprimidos ou com antecedentes de infecção urinária prévia.

Caso o paciente pense precisar de um exame de urodinâmica, procure uma avaliação em consulta com os urologistas do nosso corpo clínico.