Todos os posts com a tag: saúde do homem

Câncer de Próstata – Orientações sobre diagnóstico precoce e prevenção

Conversamos com os urologistas Ângelo Campos, José Lucena, Karla Avelino e André Siqueira, que fazem parte da equipe da UROS, sobre essa doença que só em 2020, terá mais de 65 mil novos casos no Brasil. O diagnóstico precoce é a principal arma para a cura dessa doença.

Novembro é o mês de prevenção ao câncer de próstata. A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda uma consulta anual ao urologista a partir dos 50 anos ou após os 45 para homens que apresentem fatores de risco para a doença.

 

1- O que é a próstata e qual a sua função no organismo?

A próstata é uma glândula presente em todos os homens e localizada abaixo da bexiga e à frente do reto. A uretra masculina passa por dentro dessa glândula para poder levar a urina e o sêmen até o exterior. A função da próstata é produzir uma secreção componente do sêmen, responsável por nutrir e transportar os espermatozoides eliminados no ato sexual.

2 – Quais as principais doenças que acometem esse órgão?

As principais doenças prostáticas são as neoplasias (câncer de próstata), o crescimento benigno (hiperplasia prostática benigna) e as prostatites (infecções bacterianas agudas ou crônicas).

3 – Sobre o câncer de próstata, quais as estatísticas e em que faixa etária ele é mais prevalente?

A estimativa do INCA é que no ano de 2020 ocorram 65.840 novos casos de câncer de próstata no Brasil, com 15.576 novas mortes em decorrência da doença. A incidência do câncer de próstata aumenta com a idade, sendo mais importante sua detecção na faixa dos 50 aos 70
anos, visto que antes dessa faixa etária ele é raro e depois tende a ser menos agressivo (apesar de ser frequente). Cada caso deve ser avaliado de maneira individualizada pelo urologista.

4 – Como prevenir o câncer de próstata?

Não existem maneiras efetivas de prevenção do câncer de próstata. A melhor alternativa é o diagnóstico precoce. Entretanto, existe correlação entre um maior risco de desenvolvimento de câncer de próstata em pacientes com sobrepeso, consumo de álcool e tabaco, maior consumo de carnes vermelhas e gorduras de origem animal, menor ingestão de frutas, verduras, legumes, grãos e cereais. Antioxidantes, como vitaminas A,D, E e carotenos, assim como selênio, parecem desenvolver um papel protetor, diminuindo a incidência do câncer de próstata.

O diagnóstico precoce é a principal arma que temos visando à cura do câncer de próstata.

5 – Sobre o diagnóstico precoce, quais são os exames que devem ser realizados? A partir de que idade? Qual a frequência?

A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda a avaliação anual de rotina para todo homem a partir dos 50 anos de idade ou após 45 anos em caso de apresentar fatores de risco. Deve ser feita uma consulta urológica com pesquisa de fatores de risco, avaliação global do paciente e ao menos a dosagem sanguínea do PSA (antígeno prostático específico) e toque retal.

O segredo de uma vida longa está em cultivar hábitos saudáveis, alimentação balanceada e cuidar do corpo e da alma.

6 – O exame de sangue substitui o toque retal? Porque ainda existe tanto preconceito?

O toque retal ainda é indispensável na avaliação periódica urológica. Cerca de 80% dos tumores prostáticos alteram o PSA, mas 20% dos tumores vão passar despercebidos caso não realizemos um exame de toque retal. A combinação dos dois métodos é o ideal para chegarmos a uma precisão de até 95%. O preconceito ainda existe porque envolve uma temática de questões culturais muito fortes desde épocas muito antigas da nossa sociedade. Felizmente, está cada dia menor e a população está progressivamente mais consciente da necessidade de uma prevenção para uma vida mais longa e saudável. Atualmente, os homens não chegam ao nível de conscientização das mulheres, mas estamos
caminhando a passos largos.

7 – O câncer de próstata tem cura?

O diagnóstico precoce é a principal arma que temos visando à cura do câncer de próstata. Nos estágios iniciais da doença, o índice de cura chega a 90%. Daí a importância de campanhas de conscientização sobre a avaliação periódica urológica de rotina nos homens. Podemos salvar uma multidão de homens todos os anos com medidas simples que vão propiciar o tratamento mais adequado e efetivo a nossos pacientes, sem falar que nessas avaliações são abordados outros aspectos da saúde do homem, como a disfunção erétil e o distúrbio androgênico do envelhecimento masculino, visando sempre uma avaliação urológica mais global dos pacientes.

8 – Qual a orientação para os homens neste Novembro Azul?

O segredo de uma vida longa está em cultivar hábitos saudáveis, alimentação balanceada e cuidar do corpo e da alma. As avaliações médicas
de rotina servem como guias para balizar decisões e orientar os pacientes a plantar essas sementes que serão colhidas aos 70, 80 e 90 anos de idade. Cada vez mais, é importante envelhecer com qualidade de vida e prevenir sequelas e complicações. Não podemos deixar que um
preconceito tolo ou uma suposta falta de tempo nos prejudiquem.

Fonte: Revista Guia Viver Bem 

 

 

Leia Mais

Quando Devo Procurar o Médico Urologista?

Deve-se ir à uma consulta com um urologista sempre que apresentar sintomas que envolvam o sistema urinário como dificuldades para urinar, dor nos rins, dor durante as relações sexuais e em caso de doenças sexualmente transmissíveis.

Os homens a partir dos 50 anos devem anualmente terem uma consulta para avaliar a próstata, mesmo que não haja sintomas, já que se trata de uma doença com incidência maior em homens após os 50 anos.

Caso haja na família, outros familiares próximos com câncer de próstata, é necessária uma consulta por ano a partir dos 40 anos de idade, em que será feito o exame do toque retal e outros com o objetivo de avaliar o funcionamento da próstata e, assim, prevenir a ocorrência do câncer.

As mulheres com suspeita de pedras nos rins ou infecção urinária.

As crianças quando apresentam casos de fimose, enurese noturna, hipospadia ou criptorquidia.

Leia Mais

Andropausa Precoce

O que é andropausa


Apesar de ser conhecida popularmente como Andropausa, a queda do hormônio masculino não deve receber este nome, pois, ao contrário das mulheres na menopausa, os homens não param de produzir a testosterona. O que pode ocorrer é uma diminuição de sua produção – em geral, em torno de 12% a cada década de vida. Assim, o termo mais utilizado no Brasil é DAEM: Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino, que é o conjunto de sinais e sintomas decorrentes da diminuição da concentração de androgênios no homem. Essa queda gradual dá-se a partir dos 40 anos.

 

Sintomas


Entre os sintomas, os que mais comumente podem estar presentes são:

done-2  Diminuição da força e da massa muscular
done-2  Diminuição da resistência física (fadiga)
done-2  Aumento da gordura (visceral)
done-2  Comprometimento da memória e funções cognitivas, depressão e irritabilidade
done-2  Diminuição da libido
done-2  Diminuição do número de ereções noturnas/matinais
done-2  Disfunção erétil
done-2  Alterações do orgasmo
done-2  Ejaculação retardada
done-2  Diminuição do volume ejaculatório

 

Causas


A deficiência da testosterona pode ser devida a alterações em vários níveis do eixo hipotálamo-hipofisário-testicular. Anormalidade nos testículos – DT primária, deficiência na hipófise – secundária ou no hipotálamo – terciária, ou mista, devido à combinação de duas delas.

Fatores de risco


A idade talvez seja o maior fator de risco, já que sabemos que a incidência do DAEM aumenta com a idade. Quando ela acontece em homens mais jovens chamamos de Andropausa precoce.

Diagnóstico


O diagnóstico do DAEM deve ser sempre clínico e laboratorial. Ou seja, para se fazer o diagnóstico o homem tem que ter sintomas – alguns dos citados anteriormente – junto com uma dosagem sérica de testosterona baixa. Recomenda-se a dosagem de testosterona total e, se esta estiver baixa, deve-se repetir a dosagem da testosterona total, pedindo também a dosagem da Testosterona Livre Calculada, LH e prolactina (no caso de diminuição da libido). A dosagem de testosterona livre por radioimunoensaio, em geral, não deve ser feita, pois os resultados apresentam grande variabilidade. Existem também alguns questionários que podem ser utilizados na tentativa de se identificar os sintomas.

Prevenção


Corrigir os fatores da síndrome metabólica tais como:

done-2  Obesidade
done-2  Hipertensão
done-2  Diabetes
done-2  Dislipidemias (presença de gordura no sangue, como colesterol e triglicérides)
done-2  Sedentarismo
done-2  Tabagismo
done-2  Álcool em excesso
done-2  Depressão, etc.

 

Tratamento


O tratamento se dá por meio da administração de medicamentos. No Brasil, as formulações mais utilizadas são as injetáveis de curta e longa ação (Undecilato de Testosterona ou associação de esteres de testosterona) e as trans dérmicas, na forma de gel axilar ou cutâneo.

 

Fonte: Sociedade Brasileira de Urologia

Leia Mais
Enviar mensagem
1
Olá 👋
Podemos ajudá-lo?